Por que a TIM me pagou 2.300 reais?

Uma oferta fraudulenta da TIM Live me causou um transtorno absurdo, além de me deixar sete dias sem internet. Sem conseguir resolver o problema, entrei com uma ação no Juizado Especial Cível e fechei um acordo de indenização por 2.300 reais.

Como começou?

Eu já tinha contratado há mais de um ano a internet da TIM Live de 40 Mega por R$89,90 ao mês. Achava o serviço muito bom, então quando uma vendedora me ligou oferecendo um pacote de 50 Mega por R$79,90, não tive dúvidas em aceitar. A própria vendedora confirmou meus dados e apenas observou que eu teria que cancelar o pacote antigo assim que o novo fosse instalado.

No dia da instalação, os técnicos chegaram no horário marcado e tudo correu bem. Logo após testar a internet e ver que estava tudo funcionando, liguei na TIM para cancelar o pacote antigo e foi aí que começou o problema. A pessoa que me atendeu disse que o pacote que eu havia acabado de contratar era uma fraude e que o preço era muito mais alto. Prontamente, eu pedi que cancelassem a nova contratação e deixassem a antiga funcionando, mas a atendente não conseguiu efetuar a solicitação, pois a contratação ainda era muito recente.

Liguei nos próximos dois dias para conseguir cancelar o novo pacote e recebi a informação que ele havia sido cancelado com sucesso. Eis que alguns meses depois, recebo uma carta da TIM ameaçando colocar meu nome no SPC/Serasa, porque eu não estava pagando a fatura daquele novo pacote de internet. No mesmo dia liguei novamente no suporte da TIM e pedi explicações. Apenas nessa ligação o cancelamento da nova internet foi feito, mas um outro problema foi criado.

Os dias sem internet

O cancelamento da nova internet me deixou completamente sem acesso. Eu pensava que a internet antiga estava funcionando, mas depois de vários desliga-liga de roteador, o acesso não voltava de jeito nenhum. Liguei no suporte da TIM e eles marcaram uma visita técnica logo no dia seguinte.

Como não podia ficar em casa, deixei a diarista avisada que os técnicos apareceriam por lá, mas eles deram o famoso ‘balão’ e eu ficaria mais um dia sem internet. Marquei uma visita para o próximo dia e tomei outro ‘balão’. Isso se repetiu por uns sete dias e incontáveis promessas de que ‘amanhã o técnico estará aí com certeza’.

Quando os técnicos finalmente foram, o problema foi corrigido em menos de uma hora e a internet voltou a funcionar perfeitamente, mas já era tarde para a TIM, eu havia aberto um processo pedindo indenização por danos morais.

O processo

Abrir um processo como pessoa física contra empresas que prestam um mau atendimento é muito fácil. No meu caso, eu precisei do meu documento de identificação, comprovante de residência, um relato sobre os acontecimentos e as provas (fatura, carta de cobrança, protocolos, etc.). Fui ao Juizado Especial Cível, famoso Juizado de Pequenas Causas, da PUC-SP e fui muito bem atendido, apesar da abertura do processo demorar um pouco.

O estudante de direito que me atendeu me orientou a pedir a antecipação da tutela para a TIM não colocar meu nome no SPC/Serasa e disse que o valor padrão de danos morais para essas causas era de R$ 5.000,00. Não tive que contratar um advogado e nem pagar nenhum tipo de custo. Saí de lá com o dia da audiência de conciliação marcado.

O acordo

Mais ou menos uma semana antes da audiência de conciliação, um escritório de advogados contratado pela TIM me ligou oferecendo um acordo no valor de R$ 1.200 reais para encerrar o processo. Não aceitei de primeira e o valor oferecido subiu para R$ 2.300,00. Também não aceitei, pois queria ver qual seria o acordo oferecido na audiência de conciliação.

Para meu desapontamento, a TIM mandou uma pessoa aleatória na audiência de conciliação que nem sabia o que estava acontecendo. Parece que as empresas sempre fazem isso para que a ação não seja julgada à revelia. Voltei para casa, liguei no escritório e aceitei o acordo proposto. Em 20 dias úteis, o dinheiro estaria em minha conta.

Valeu a pena?

Se eu soubesse o problema que aquela oferta de internet mais rápida por um preço menor iria me dar, nunca teria aceitado. Foram mais de 15 ligações e várias horas perdidas tentando consertar um erro da empresa.

No entanto, valeu a pena correr atrás dos meus direitos e entrar com uma ação contra a TIM. Dá um pouco de trabalho, mas a sensação de justiça compensa. Essas empresas só irão parar com essas práticas vergonhosas quando sentirem o impacto nos lucros. Outro dia conto a história de como a Claro teve que indenizar a minha vó em R$ 3.000,00.